IITAA

O Instituto de Investigação e Tecnologia da Agronomia e Meio Ambiente (IITAA) desenvolve trabalho de investigação com o objetivo de perseguir estudos em diversas áreas, como a caracterização / previsão do clima insular e os efeitos das mudanças globais em comunidades do oceano para os to... Ler mais »

PUBLICAÇÕES

Composição em ácidos orgânicos de Méis provenientes de diferentes regiões.

Tecnologias Alimentares e Saúde

Referência

Domingos-Lopes M.F.P., Dapkevicius M.L.N.E., Rauter A.P., Silva C.C.G. (2009) Composição em ácidos orgânicos de Méis provenientes de diferentes regiões. 9º Encontro de Química dos Alimentos, Angra do Heroísmo, pp 25.

Resumo

O mel tem sido alvo de vários estudos sobre a sua composição e propriedades, indicando que alguns méis de diferentes origens possuem propriedades antimicrombianas e antioxidantes específicas. Investigações prévias demonstraram que os méis Açorianos possuiam um pH mais baixo quando comparados com os méis de outras origens, sendo uma das possíveis causas a composição em ácidos orgânicos. Deste modo, este estudo consistiu na determinação de alguns ácidos orgânicos (cítrico, maleico, fumárico e glucónico) por HPLC, com excepção do ácido glucónico que foi determinado por um Kit enzimático da Boehringer, em 26 amostras de mel provenientes de três ilhas dos Açores, Portugal Continental, Austrália e Argentina.

Das amostras estudadas observamos que os meis Açorianos (S. Miguel, Pico e Terceira) e da região Sul de Portugal Continental (Algarve e Alentejo) possuíam valores de pH significativamente (p<0,01) mais baixos (entre 3,4 e 3,6), quando comparados com as outras regiões (entre 4,0 e 4,2). No entanto, não se observou qualquer correlação entre o pH e os ácidos orgânicos analisados, pelo que não serão estes que influenciam os baixos valores de pH dos méis Açorianos.

Os méis analisados da região Norte de Portugal Continental (Trás-os-Montes e Serra do Caramulo) apresentaram conteúdos em ácido glucónico (14,5±1.6 g/Kg mel) e ácido fumárico (6,3±0,6 mg/Kg mel) mais elevados em relação aos outros méis analisados (p<0,05). É de salientar que o mel orgânico da Argentina foi o que apresentou um valor mais reduzido de ácido glucónico (1,8±0,3 g/Kg mel), embora tenha apresentado concentrações mais elevadas de ácido maleico (4,3±1,1 mg/Kg mel) e ácido cítrico (2231±1219 mg/Kg mel), quando comparados com todas as outras amostras analisadas. De um modo geral, todas as regiões, à excepção do Norte de Portugal Continental, apresentaram valores muito baixos de ácido fumárico (entre 0,3 e 0,5 mg/Kg mel). Os méis Açorianos apresentaram valores intermédios de ácido glucónico (entre 4,2 e 7,2 g/Kg mel), ácido maleico (entre 1,4 e 2,4 mg/Kg mel) e ácido cítrico (entre 924 e 1418 mg/Kg mel). Os méis Australianos e da região Sul de Portugal Continental apresentaram valores reduzidos dos ácidos orgânicos analisados.

A variação observada quanto à composição em ácidos orgânicos está relacionada com a origem geográfica dos diferentes méis, podendo servir de indicador da flora que deu origem ao mel.

Quinta, 30 Abril, 2009

Equipa

Célia Costa Gomes da Silva
Coordenador do Grupo de Investigação
Maria de Lurdes Nunes Enes Dapkevicius
Membro Integrado com contrato

    Ver todas as publicações

 
Web Development: Via Oceânica, 2009
English